Obesidade na adolescência

(Atualizado: 03/06/2017)

A obesidade na adolescência aumenta os riscos de morte por doenças crônicas na idade adulta, segundo um estudo do Instituto Norueguês de Saúde Pública.

De acordo com os autores, distúrbios endócrinos, nutricionais e metabólicos, doenças cardiovasculares e respiratórias, além do câncer de cólon, são alguns dos problemas que podem atingir essas pessoas.

Os riscos da obesidade na adolescência

As estatísticas mostram que a incidência da obesidade entre crianças e adolescentes vem aumentando em todo o mundo.

obesidade na adolescenciaMas, segundo os pesquisadores, os problemas e efeitos a longo prazo, principalmente em relação aos riscos de doenças crônicas e mortalidade, ainda não são muito conhecidos.

Para avaliar esses efeitos da obesidade, o Instituto analisou dados colhidos de 227 mil adolescentes com idades entre 14 e 19 anos, sobre peso e altura.

Durante um acompanhamento de 32 anos, os especialistas observaram quase 10 mil mortes e compararam as causas de mortalidade entre pessoas com índice de massa corporal baixa, alta e normal.

Tanto os homens quanto as mulheres que tinham sobrepeso na adolescência apresentaram uma maior taxa de mortalidade pelos seguintes tipos de doenças:

– endócrinas,
– metabólicas,
– cardiovasculares,
– respiratórias,
câncer de cólon.

Os autores do estudo escreveram no “American Journal of Epidemiology“:

“Nós descobrimos que o aumento nos graus de obesidade entre os adolescentes leva a um crescimento na taxa de mortalidade na meia idade por diversas causas importantes”.

Outros estudos têm mostrado que a prevalência do excesso de peso é quase a mesma (30,2%) para o sexo feminino do que para o sexo masculino (30,5%).

Já está claro que muitos efeitos adversos na saúde estão relacionados com o excesso de peso verificado entre as crianças e adolescentes.

Alguns deles são: asma, diabetes tipo 2, hipertensão, complicações ortopédicas e apneia do sono.

Por outro lado, as implicações psico-sociais e a estigmatização resultante do excesso de peso podem ocasionar consequências gravíssimas entre os adolescentes que sofrem de obesidade.

Por estes motivos, a observação e acompanhamento mais rigorosos do peso das crianças e adolescentes são fatores importantíssimos para a sua saúde atual e futura.

Como gerenciar e tratar a obesidade das crianças e adolescentes

As crianças e adolescentes obesos precisam de uma avaliação médica por um pediatra ou médico de família para considerar a possibilidade de uma causa física.

Na ausência de um distúrbio físico, a única maneira de perder peso é através da redução do número de calorias ingeridas e o aumento do nível de atividade física.

No entanto, a perda de peso duradoura só pode ocorrer quando há auto-motivação.

Como a obesidade afeta frequentemente a mais de um membro da família, estabelecer hábitos alimentares saudáveis e de exercícios regulares como uma atividade familiar pode melhorar muito as chances da criança ou adolescente controlar seu peso com sucesso e ter uma melhor qualidade de vida.

As formas de gerir a obesidade na infância e na adolescência incluem:

– mudanças nos hábitos alimentares (comer devagar, por exemplo);

– planejar as refeições e fazer melhores escolhas alimentares (comer menos alimentos gordurosos e evitar alimentos de pouco valor nutritivo -junk e fast food-);

– controlar as porções e consumir menos calorias;

– aumentar a atividade física (especialmente caminhar mais) e ter um padrão de vida mais ativa;

– controlar os lanches da escola;

– fazer as refeições em família em vez de quando se está assistindo a TV ou quando se está na frente do computador ou no celular;

– não usar alimentos saborosos como recompensa;

– iniciar um programa de controle de peso com orientação profissional;

– frequentar um grupo de apoio.

Por que muitas crianças e adolescentes voltam a engordar?

A obesidade pode se tornar um problema para a vida toda. Não é por acaso que muitos adolescentes obesos recuperam os kg perdidos depois de terem conseguido emagrecer.

Isto acontece porque, ao atingirem a sua meta, eles retornam aos seus antigos hábitos alimentares e param de se exercitar.

Um adolescente obeso tem que mudar seus hábitos para a vida toda. Precisa aprender a comer e apreciar alimentos saudáveis com moderação e tem que exercitar-se regularmente para manter o peso desejado.

Mantendo estes hábitos durante anos, na sua vida adulta não precisará conviver com os problemas de saúde causados pela obesidade.

Os pais de uma criança/adolescente com obesidade não só podem como devem melhorar a auto-estima do seu filho enfatizando seus pontos fortes e qualidades positivas, ao invés de focar exclusivamente no seu problema do excesso de peso.

Quando uma criança ou adolescente obeso também tem problemas emocionais, um psiquiatra pode trabalhar em conjunto com o pediatra para desenvolver um plano de tratamento mais abrangente.

Tal plano deve incluir metas de redução do peso, gestão da atividade física e da dieta, modificação do comportamento e a participação da família.

Esperamos que tenha achado úteis estas informações sobre os perigos da obesidade na adolescência e que possam lhe servir para proporcionar uma melhor qualidade de vida ao seu filho.

Gostou deste artigo? Ajude-nos a divulgá-lo:
Loading...

Deixe aqui a sua pergunta ou comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *